Et de plomb et de plume 033


Este Et de plomb et de plume é dedicado à pessoa mais incrível que conheço.


02_ Chavela Vargas _ Paloma Negra
03_ Vince Giordano _ Stardust
04_ Mark Feldman _ Caprice for violin
05_ John Barry _ East St.Louis Toodle-O
06_ Arianna Savall _ Yo m'enamori d'un aire
07_ L. Subramaniam _ Invocation to Lord Ganesha
08_ Santigold _ Pirate in the water
09_ Bally Sagoo _ Noorie (trecho)
10_ Jordi Savall, Lior Elmaleh _ Shaar Petach Dodi
11_ Julia Jacklin _ Sweet Step *
12_ Andrew Bird _ Song of foot
13_ Sérgio Godinho _ Com um brilhozinho nos olhos
14_ The Magnetic Fields _ I don't want to get over you
15_ Chico Buarque _ Joana Francesa
16_ Bar Kokhba Sextet _ Gevurah
17_ Lhasa de Sela _ El desierto
18_ Erik Friedlander _ Risky business
19_ Louis Sclavis / Henri Texier _ Pingouin
20_ Agnes Obel _ Tokka


**

(coloquei aqui uma caixa com todos os programas. Dá para fazer download, caso o desejem)
* esta devo-a à Patrícia Shim, enquanto me fazia desenhos na pele.

+ + Hiroshi Watanabe + +




△ △ Navalhas △ △

(trazida da Tailândia pela Catarina, no ano 2000) 

(estas eram do meu avô materno)

△ △ Leque △ △




Daniela (6)


Daniela (5)


Daniela (4)



Daniela (3)



Daniela (2)




Daniela (1)


Et de plomb et de plume 029



1. Abdullah Ibrahim
2. Boubacar Traoré
3. Masada String Trio
4. Chava Alberstein
5. Il Nuovo Canzionere Italiano
6. David Gould
7. 23 Skidoo
8. John Zorn
9, Marisa Monte
10. Rosa Paeda
11. Masada
12. Sheila Chandra
13. Meredith Monk (e um clip da Maya Deren)
14. John Zorn (tocado pelo grande Erik Friedlander)
15. Zap Mamma
16. Malian Musicians & Damon Albarn
17. Frank London
18. Cyro Baptista
19. John Zorn
20. ?
21. Savina Yannatou
22. Boubacar Traoré
23. Thomas Chapin
24.

*

11


Há 11 anos, estava este rapaz quase a nascer, e andávamos nós com o coração nas mãos. Mais ou menos literalmente (longa história, no horizonte muitas incógnitas e a hipótese de ser necessário, assim que possível, um transplante). 
Vai-se a ver, não era nada: um sopro. 
E sopro tem sido, mas de tantas outras formas que não a médica. Coração grande, o deste miúdo, a bafejar-me todos os dias de sorte e alegria e a quantidade saudável de picanço de mioleira. Tem um sopro e tem grandeza, o cardíaco deste cachopo. Este cachopo.
Se há coisa de que não me arrependo — se há bagagem que transporto de bom grado, e que tantas vezes me salva de mim próprio — é de ter começado a dormir mesmo pouco há 11 anos.