13/06/2021





Fotos de Julho de 2017. 
Esta última, em que estou com o Zé Luís e a Joana, foi tirada pela Daniela Duarte.

05/06/2021

01/06/2021

Et de plomb et de plume 089


00.00 _ Reiah _ Zion80
08.36 _ Free Flying _ Julian Lage & Fred Hersch 
13.32 _ Samar _ Yasmine Hamdan
16.52 _ Good for Goodie _ Joanna MacGregor
19.23 _ Mississippi Kisses _ Leon Bridges
21.45 _ My Moon My Man _ Feist 
25.07 _ Sua Alma _ Skinshape
29.48 _ Clamour _ Glasser
33.29 _ Dripping Sun _ Kikagaku Moyo
41.15 _ Kaleden Kaleye _ Senem Diyici Quartet
43.57 _ Milk & Honey _ Hollie Cook
47.34 _ Yekinah _ Secret Chiefs 3
51.54 _ The Blue Necklace _ Modern Jazz Quartet 
56.40 _ Im Ein Ani Li Mili _ Pharao’s Daughter 

31/05/2021

Terapia

















Passe o cliché da coisa, a minha forma de terapia implica estar com o rabo sentado num veículo da duas rodas, de preferência motorizado (dá mais jeito nas subidas), e fazer-me à estrada. O facto de serem só duas rodas é importante: nunca gostei particularmente de andar de carro (vamos ver se isso se altera, agora que estou quase quase (quase) a tirar a carta de automóvel) e sempre preferi ir ali a dar o corpo ao manifesto — é quase uma alegria canina, aquela de ir com a cabeça de fora a levar com o vento nas fuças (e um ocasional mosquito nas beiças), o corpo exposto ao calor, ao vento, à chuva, aos cheiros (o que eu gosto dos cheiros, quando por ali vou). 
Desde Janeiro, fruto da brilhante ideia de ter oferecido a Chiclete à Flora nos anos, que não tinha um fim-de-semana só meu, sem ter de me preocupar com alimentar e passear quadrúpedes. Consegui convencer a mãe da Flora a levá-la, neste, e lá fui eu à minha terapia. 
Fui até Milfontes, montei a tenda e passei o dia a ler. Há coisas piores de se fazer na vida. Pelo caminho, fiz a Nacional 10, cujos quilómetros antes de chegar à Arrábida estão entre os meus preferidos (outros são aqueles que vão de Lagos a Aljezur pelo meio da serra). E aproveitei para pensar na vida, infelizmente sem grandes resultados: sempre que penso na vida, chego à conclusão de que sou apenas um grãozinho de areia de merda, que não faço nada de particularmente bem, que a minha vida sentimental está a modos que morta e enterrada, que as minhas fotos não valem nada, que isto das mixtapes interessam a quem, caralho?, ronhonhó, ronhonhó, poor me, haja paciência. 
Mas depois isto: vi vacas e coelhos; vi uma ave de rapina a dois metros de mim; vi avestruzes; no caminho de regresso parei em Sines para dar um beijo à minha filha, levar uma mordidela carinhosa da Chiclete (que é bruta portanto é carinho que deixa marcas), conhecer a Elsa-a-galinha, dizer olá aos avós da Flora (que são uns fixes); estou a (re)ler um livro mesmo incrível (este) que tem um personagem que entra mudo e sai calado (sim senhor); acordei de madrugada com andorinhas, cucos e um pássaro que parecia ter engolido um apito (mas adormeci com Queen, ah, a alegria dos parques de campismo ao fim-de-semana); passei a tarde na melhor das companhias a pintar paredes de preto; e afinal esta coisa de andarmos neste berlinde azul até que é fixe.